sábado, Novembro 15, 2008

Parábola dos Talentos


O Evangelho deste Domingo mete-nos em confronto com aquilo que fazemos dos dons recebidos. A responsabilidade que temos em mudar o mundo, em usar bem o que nos foi confiado.

“Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos a seguinte parábola: «Um homem, ao partir de viagem, chamou os seus servos e confiou-lhes os seus bens.» A um entregou cinco talentos, a outro dois e a outro um, conforme a capacidade de cada qual; e depois partiu.”

Jesus, antes de partir, confiou-nos o seu maior dom, a sua própria vida. É este dom que somos chamados a partilhar com os outros, o dom da vida, segundo as nossas capacidades. É a vida de Jesus em mim que devo fazer render, que devo comunicar para o bem dos meus irmãos. É minha responsabilidade pôr a render este dom que me foi confiado. Deus tem uma confiança ilimitada em nós. Antes de nos pedir seja o que for, dá-nos muito mais.

“O que tinha recebido cinco talentos fê-los render e ganhou outros cinco. Do mesmo modo, o que recebera dois talentos ganhou outros dois.”

O amor que damos aos outros volta para nós em duplicado! Quanto mais damos mais recebemos! Não importa aqui a quantidade, o importante é dar gratuitamente, tal como gratuitamente se recebeu! É dar-se a si mesmo, segundo as suas capacidades e dons recebidos. Tal como a viúva do Evangelho que deu mais do que todos porque deu tudo o que tinha para viver, assim deve ser a nossa medida, dar tudo pelos irmãos, darmo-nos a nós mesmos! Empenharmo-nos pelo bem dos outros. É isto que tem valor aos olhos de Deus.

“Mas o que recebera um só talento foi escavar na terra e escondeu o dinheiro do seu senhor.”

Aquele servo saiu dali e foi enterrar o seu tesouro na terra. Sabe que aquele tesouro não lhe pertence, mas não compreendeu que lhe foi confiado para o negociar, para o pôr a render, para o colocar ao serviço dos outros. Ou então, apesar de o saber, não foi capaz de vencer a sua preguiça, o seu comodismo, para o colocar ao serviço.
Que tesouro estou eu a esconder na terra? Será que hoje irei ser capaz de vencer a minha preguiça e o meu comodismo para me colocar ao serviço dos irmãos? Faz-me Senhor, em cada dia, sair de mim mesmo para me dar aos outros.

“Muito tempo depois, chegou o Senhor daqueles servos e foi ajustar contas com eles. O que recebera cinco talentos aproximou-se e apresentou outros cinco dizendo: «Senhor, confiaste-me cinco talentos: aqui estão outros cinco que eu ganhei.» Respondeu-lhe o Senhor: «Muito bem, servo bom e fiel. Porque foste fiel em coisas pequenas, confiar-te-ei as grandes. Vem tomar parte na alegria do teu Senhor.» Aproximou-se também o que recebera dois talentos e disse: «Senhor, confiaste-me dois talentos: aqui estão outros dois que eu ganhei.» Respondeu-lhe o Senhor: «Muito bem, servo bom e fiel. Vem tomar parte na alegria do teu Senhor».”

Depois do tempo que nos é dado viver, virá o Senhor e nos questionará sobre o que fizemos do dom recebido. Que poderei ao responder? Eis, Senhor, correspondi ao teu amor, dando a vida pelos meus irmãos, multiplicando o amor que me deste, os dons que me confiaste coloquei-os ao serviço dos outros! Como ficaria contente o senhor, se assim fosse e, tal como a estes dois servos diria: “Muito bem, servo bom e fiel. Vem tomar parte na alegria do teu Senhor”. De que estou à espera para pôr a render os dons que Deus me confia? É nos pequenos gestos de amor de cada dia que consiste a fidelidade ao amor que Deus me tem. Estejamos atentos às pequenas coisas para sermos mais felizes. A nossa recompensa é participarmos na alegria de Deus, sentir a sua presença em cada momento da nossa vida, haverá recompensa melhor?

“Aproximou-se também o que recebera um só talento e disse: “Senhor, eu sabia que és um homem severo, que colhes onde não semeaste e recolhes onde nada lançaste. Por isso, tive medo e escondi o teu talento na terra. Aqui tens o que te pertence”.

É a natureza da nossa relação com Deus que determina o nosso agir quotidiano. Este servo não compreendeu o amor de Deus, não esteve à altura da sua bondade. Viu Deus como um juiz e não como um Pai, por isso escondeu o seu dom, não o negociou, por medo. Os outros responderam ao amor com outro tanto amor e obtêm a plena alegria de Deus, este enterrou a própria vida debaixo da terra. Este servo nunca aceitou o dom que lhe foi feito, nunca aceitou a gratuidade do seu Senhor. Estarei eu à altura da bondade de Deus ou olho para Ele como um juiz, que me faz viver a vida com medo do seu juízo?

“O Senhor respondeu-lhe: «Servo mau e preguiçoso, sabias que ceifo onde não semeei e recolho onde nada lancei; devias, portanto, depositar no banco o meu dinheiro, e eu teria, ao voltar, recebido com juro o que era meu. Tirai-lhe então o talento e dai-o àquele que tem dez. Porque, a todo aquele que tem, dar-se-á mais e terá em abundância; mas, àquele que não tem, até o pouco que tem lhe será tirado. Quanto ao servo inútil, lançai-o às trevas exteriores. Aí haverá choro e ranger de dentes.»”

Este servo já estava fora, antes de ser colocado fora. Estava fora porque nunca foi capaz de compreender a lógica do Amor e aniquilou-se a si próprio, porque se fechou ao amor de Deus. Fechou-se ao Amor e recusou-se a amar os outros, a dar a sua vida em prol dos outros. Quem assim faz não pode participar da alegria do Senhor. Este servo tornou a sua vida inútil, porque cruzou os braços diante do dom. Cada um de nós é responsável por tornar a sua vida um dom de amor, uma resposta ao amor que Deus nos dá em cada dia, quando assim não acontece ficamos na escuridão, nas “trevas”, ou seja, sem vida. Perdoa Senhor, por todas as vezes em que nos fechamos ao amor e tornamos a nossa vida inútil.

13 comentários:

Anónimo disse...

Olá! Eu sou o Vítor Melo de Chaves.
Gostaria de pedir ao(s) autor(s) deste blog se pudessem divulgar o blog do Grupo de Jovens do qual eu faço parte, em Chaves.
O grupo de jovens chama-se Emanuel, pertence á Paróquia de St.ª Maria Maior em Chaves e existe desde 1993.
O grupo de jovens reune ao domingo pelas 10h e depois participa no coro da Missa das 11.30 da Igreja Matriz.
O grupo faz diversas actividades ao longo do ano: desde a participação em encontros de jovens, retiros, realiza um acampamento no verão, faz a oração mensal, visita e anima os lares da cidade, entre outras coisas.
O nosso grupo de jovens é orientado por uma Irmã Franciscana - Ir. Efigénia.
O blog foi criado no início deste ano e surgiu de forma a divulgar o nosso grupo e as nossas actividades. É também uma forma de as pessoas, (quer do concelho ou de todo o país), visitarem e articiparem no blog.
O endreço é o seguinte: http://gjemanuel-chaves.blogs.sapo.pt
Gostariamos que divulgassem o nosso blog e também que participassem nele.
Muito obrigado pela atenção dispendida e bom fim de semana.

P.S.: Gostamos muito da apresentação e conteúdos do vosso blog.A música que se aprenseta é muito bonita. Parabéns aos autores do blog.

Marco Antônio Pereira disse...

Gostei da parte de mudarmos o mundo.
Acho qeu o maior talento qeu Deus nos deu foi o de fazermos escolhas. Escolhermos viver a sua Vida e tomarmos atitudes que vão honrar o seu Nome.

Anónimo disse...

ola
podias ter escrito a parábola mais pequena

marcinho... disse...

Ola, muito boa a postagem! Realmente me tocou profundamente, esse seria um post para todo o mundo ver, literalmente. Que Deus os abençoe e continuem com ótimos posts como esse!

Sandra disse...

Me ajudou muito como derramenta para minha célula. Deus os abençoe

Pastor Sebastiao disse...

Shalom
Bela mensagem!
O homem é o maior investimento de Deus, um investimento de risco, que foi pago um alto preço e por isso Deus espera que frutifiquemos Deus a Abençoe!
Conheça Nosso Espaço
http://iecmarianatorres.blogspot.com/

Anónimo disse...

OLá,

Deus abênçõe você. Me ajudou muito sua postagem.

Abraço Fraterno!

Lena - Catequista

arautodv@yahoo.com.br disse...

AS parábolas de Jesus eram contos da vida diária com o fim de explicar verdades morais.
Vale lembrar, que talento não era dom, nem tão poco qualidades, era sim uma moeda corrente naquele período.
Precisamos entender o real sentido que este texto teve na vida de seus primeiros ouvintes, e só assim poderemos entender sua aplicação em nossas vidas.

Sampaio disse...

Pois, é! Embora na parábola esteja sendo usado o talento moeda,podemos aplicarmos na nossa vida com aquilo que Deus nos deu! Qual o dom, talento que se sobressai mais em cada um ? O que estamos fazendo com ele / Dom de cantar, pregar, ensinar, misericórdia, dirigir, compaixão, cuidar dos outros, escutar os outros, trabalhar com presos, doentes, drogados, jovens, crianças , terceira idade, casais, e assim vai! Com estamos cuidando (aplicando ) os dons dados por Deus ? São de Deus, não nossos! Só um exemplo: Elvis Presley tinha o dom de louvar, mas acabou desviando-se e teve um triste fim, o qual ele mesmo procurou. É só um exemplo! Os dons que Deus nos deu, além de aplicarmos, temos de multiplicarmos1 Se ensinas bem, ensine alguém a ensinar ! Se cantas bem, ensine alguém a cantar! Os dons que Deus nos conferiu, foi para utilizarmos e aplicarmos para o reino, pois é desejo de Deus que todos possam ser salvos. Portanto creio que esta seria a verdadeira aplicação desta parábola nas nossas vidas. Quando aceitamos Jesus como nosso Senhor e Salvador, temos a missão de levar a Sua Palavra à todos, e para isto é necessário que usemos o(s) dom(ns) que Ele nos conferiu. Maranata! Ora vem Senhor Jesus!

Anónimo disse...

gostei!!!

p disse...

Parabéns pelo excelente post!!!
Muito edificante, esclarecedor e tocante!!!

Apenas uma pequena crítica à internauta de nome Sampaio:
Sampaio, como podemos julgar o que ocorreu com outras pessoas? Em seu caso, vc comentou sobre Elvis Presley! A rota de vida é diferente e nem sempre é entendida por nós. Então fica severamente difícil criticarmos os outros.
"Deus escreve certo por linhas tortas!
Luz à todos!

Clube Hagios disse...

Gostei tando da esplanação que estou cópiando pra meu blog.

Ariel Silva disse...

gostei muito do blog